APRESENTAÇÃO

Todos os anos o Programa de Pós-graduação em práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) realiza o seminário “Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável”. Alguns dos temas abordados anteriormente foram: Perspectivas sobre a Conferência Rio + 20, mudanças climáticas e Baía de Guanabara. Em 2019 o seminário chega a sua oitava edição com uma configuração que inclui mesas redondas, palestra e apresentação de trabalhos orais.

 

Objetivos do Encontro O objetivo é apresentar e discutir temas relevantes no âmbito do desenvolvimento sustentável, partilhando de ações que estão em andamento no cenário nacional e internacional, sob a perspectiva de importantes referências da comunidade acadêmica e profissional. O tema desta oitava edição do Seminário “Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável” versa sobre identificar causas e consequências das desigualdades e apresentar soluções práticas em curso que contribuam para a redução das desigualdades no Brasil. Ademais, o tema constitui o 10º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável. O tema será tratado como uma questão que perpassa problemas e oportunidades nas áreas ambiental, social e econômica. A programação inclui palestras, debates, oficinas e apresentações de casos de sucesso e trabalhos acadêmicos em três dias de discussões, envolvendo os 3 setores da sociedade objetivando estabelecer pontes para debater questões globais e locais.

 

Público Alvo Estudantes, ONGs, Educadores, gestores ambientais e pesquisadores, representantes de instituições públicas e privadas e de organizações da sociedade civil, movimentos, coletivos e interessados na área de resíduos.

PROGRAMAÇÃO

MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO E SAÚDE

 

8:30 – 9:00           Credenciamento
9:00 – 10:15         Abertura e Boas Vindas

  • Profa Maria Geralda
  • André Felippe Nunes-Freitas, Coordenador do Programa de Pós-graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável -UFRRJ
  • Fabiola de Sampaio R. G. Garrido,  Professora do Programa de Pós-graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável – UFRRJ
  • Thais Ferreira, PPGPDS – Dança Circular – 9:30 as 10:15

9:40 – 10:30         Palestra

10:30 – 12:00       Desigualdade, diversidade e diferenças: reflexões, avanços e desafios.

Formato: Mesa redonda

Cada especialista falará por 15min.

Debatedores:

  • Angela Pace/UFRRJ – Doutora em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares
  • Rafa Ella Brites –
  • Marcelo – Advogado. Coautor do do livro “Homotransfobia e Direitos Sexuais -Embates

Contemporâneos”, sobre o papel do Estado e a discussão da orientação sexual na proposta de base nacional comum curricular.

  • Nilza Rogéria, Professora do Depto. Serviço Social / PUC-Rio. Contextualizar como a desigualdade afeta de forma direta e de forma mais aguda as mulheres e em destaque as mulheres negras.

 Mediador: Sideise Bernardes Eloi

12:30 – 13:15       Almoço

13:15 – 13:45       Agenda 2030 e indicadores – em que ponto estamos?

Formato: Palestra instrutiva

  • Palestrante: Wasmalia Bivar – ex presidente do IBGE
  • Assunto: As ODS necessitam de mecanismo robusto de acompanhamento e avaliação de sua implementação. Tal mecanismo requer um sistema de informações que viabilize uma estrutura sólida de indicadores e dados estatísticos que permita monitorar o progresso, informar as políticas e a prestação de contas de todas partes interessadas. O quadro de indicadores globais referente à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, desenvolvido pela Comissão de Estatística, foi adotado pela Assembleia Geral da ONU em julho de 2017. O objetivo é apresentar o marco de indicadores e como as Nações Unidas organizou e está desenvolvendo o trabalho para a sua construção.

14:00 às 14:30     Mobilidade urbana é para todos no Brasil? 

  • Willy Gonzales Taco/UNB - Doutor em Engenharia de Transportes

14:45 as 15:15     O dia em que Eu NÃO Tive Medo 

  • Palestrante: Valéria Santos
  • A advogada que foi presa durante uma audiência apenas por querer exercer sua atividade. Ela foi algemada e presa por ordem de juíza ao se recusar a deixar sala de audiência em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro

15:15 – 15:30       Pausa para Café

15:30 às 16:00     Comunicação Não Violenta 

  • Palestrante: Dominic Barter
  • Ele percorreu dezenas de países e quase todo o país visitando escolas e secretarias de Educação, entrando em comunidades, realizando palestras, orientando professores, instaurando sistemas restaurativos na Justiça. Pôs frente a frente infratores e vítimas no Brasil, e grupos bélicos arquirrivais na África. Sua vida é feita de diminuir distâncias, abraçar problemas e fazer conexões, provando aquilo que às vezes parece esquecido nos tempos atuais: o diálogo. Desde 1995 atua no Brasil com círculos restaurativos e desde 2003 promove a comunicação não-violenta (CNV), ferramenta desenvolvida pelo psicólogo norte-americano Marshall Rosenberg para substituir a violência e lidar de um jeito diferente com conflitos.

16:00 – 18:00       Apresentação dos trabalhos da linha 1

 

 

Linha 2: POLÍTICAS PÚBLICAS, GOVERNANÇA e CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS

 

8:30 – 9:20        CREDENCIAMENTO

9:30 –12:00       Redução de Desigualdade na visão do neoliberalismo

Palestra

  • Palestrante: Gilvan Bueno – Empresa Capitalismo Hereditário

Mediador: Sideise Bernardes Eloi

 

12:00 – 13:00    Pausa para Almoço

13:00 – 13:30    Políticas Públicas Inclusivas na Educação

Formato: Palestra interativa

Palestrante: Gecilda Esteves Silva - Membro CPDAF, Nucleo de Estudos Socioeconômicos

Secretaria Geral de Planejamento, Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro – TCE/RJ Mediação:

 

14:00 – 14:30    Primeira Infância – Projeto Mãe & Mais

Formato: Palestra

  • Palestrante: Thais Ferreira – empreendedora social

O projeto de empreendedorismo social de Thais tem como foco os direitos à saúde. O “Mãe&Mais” oferece serviços e informação sobre o tema para mulheres, gestantes e crianças de até seis anos de idade Moderação:  

 

14:45 - 16:15     Programas Sociais de Transferência de Renda e sua Realidade

Formato: Palestra Instrutiva

  • Palestrante: Paulo Jannuzzi – professor Ence, ex-secretário de avaliação e gestão do Governo Federal. Doutor em Demografia, Mestre em Administração Pública A importância dos programas sociais na redução da miséria e desigualdade no novo contexto brasileiro.

Mediação:

16;15 – 16:30    Pausa para Café

16:30 – 18:00    Apresentação dos trabalhos da linha 2

Linha 3: MEIO AMBIENTE, SUSTENTABILIDADE E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

 

8:30 - 9:20        CREDENCIAMENTO

9:30                  ABERTURA: Thais Ferreira (PPGPDS) – Dança Circular

10:00 - 11:30    Redução da desigualdade através da implementação de projetos sociais 

Formato: Mesa-Redonda Debatedores:

  • Julia Borges - Experiência como profa. de escola pública e seu projeto que une alunos de escola pública e privada
  • Gilvan Bueno - educação financeira para jovens carentes
  • Clarissa Lima – escritora, professora, orientadora educacional, Especialista em Psicopedagogia Aplicada a Escola, Especialista em relações étnico-raciais e Educação. – Racismo Ambiental na perspectiva das relações étnico-raciais.
  • Instituto Revoar. Resp. Carolina Senna Figueiredo, Mestre e Graduada em Ciências Sociais

pela FGV e UFRJ, respectivamente

Mediador: Sideise Bernardes Eloi

 11:30 – 12:00  Convivência com o Biochip

  • Palestrante: Ana Branco, PUC-RJ

Biochip é um grupo aberto de estudo, pesquisa e desenho, que investiga as cores e a recuperação das informações presentes nos modelos vivos: hortaliças, sementes e frutos. A pesquisa Biochip encontra ressonância e analogia com a prática da Agricultura Ecológica em relação à Terra. Na agricultura convencional, quando uma lagarta come uma planta, ataca-se a lagarta para se defender a planta. Na prática ecológica, ao invés de se agir diretamente na planta, o que é trabalhado é a Terra, o ecossistema, a base onde a planta busca seus nutrientes. Quando o solo também está vivo, a planta pode buscar seus nutrientes com um mínimo de esforço, absorvendo nutrientes, já decompostos pelo metabolismo da Terra.

12:00 – 13:00 Almoço

13h – 13:30  O Investimento Social Privado e os Caminhos para a Igualdade Social.

Como as empresas vêm atuando pela redução das desigualdades a partir do fortalecimento da sociedade civil organizada e o que mais elas poderiam fazer.

  • Palestrante: Daniela Apone pós-graduada em Economia e Gestão para Sustentabilidade pela UFRJ e graduada em Comunicação Social com ênfase em Relações Públicas pela Universidade de São Paulo.

Idealizadora da Entrenós, atua em planejamento e gestão de projetos socioambientais com foco em Empreendedorismo e Negócios Sustentáveis. Entusiasta de metodologias participativas, tem como propósito a redução das desigualdades sociais e acredita na atuação em rede para como catalisador para impactos positivos em nossa sociedade.

13:35 – 14:05  Sistema B

  • Palestrante: Ushi, empresária, Especialista em facilitação participativa.

Na América Latina e no resto do mundo, nós e milhares de pessoas nos reconhecemos como parte de um movimento em que o encontro surge quando percebemos que compartilhamos a mesma busca: uma nova “genética” econômica que permita que os valores e a ética inspirem soluções coletivas sem esquecer as necessidades particulares.

Este movimento não é guiado por nenhuma ideologia ou pessoa em particular. Ele é motivado por milhares de pessoas que querem trabalhar por um mundo melhor e não apenas por um salário. Nossa proposta não se limita ao trabalho das equipes executivas: ele também leva a uma economia que inclua todos nós e que possa criar valor integral para o mundo e a Terra, promovendo formas de organização econômica que possam ser medidas com base no bem-estar das pessoas, das sociedades e da Terra de forma simultânea e com considerações de curto e longo prazo.

14:10 - 14:40   Casa do Conhecimento - Olhares sobre São Gonçalo

  • Palestrante: Leila. Empreendedora Social, trabalha com a questão do feminismo e

sustentabilidade em comunidades periféricas.

14:50 - 16:00   RODA DE CONVERSA: Ética nas Relações

  • Assurini do Xingu do Pará, região de Belo Monte e Belo Sun. Somos uma etnia de apenas 250 pessoas e 40 anos de contato. A 3 anos sai em busca de entender o que estava chegando lá, descobrir o Brasil e encontrar caminhos para o fortalecimento e sobrevivência da minha cultura, práticas e saberes também dos demais povos da floresta e da terra.
  • Palestrante: Carla Romano e Timei Assurini
  • TIMEI ASSURINI – Graduado na Cultura Awaete, Filho de Matuja e Itakyri, irmão e neto de pajés, criado pela vó Jawuka, é conhecedor da cultura tradicional, histórias e lendas locais, além de espécies importantes para a cosmologia e medicina tradicional Asurini
  • CARLA ROMANO – Aprendiz da Terra e da Floresta, Mãe, educadora, produtora cultural, designer e permacultora. Desde a infância já demonstrava pensamentos críticos sobre a relação entre sociedade, território e demais. Com formação acadêmica em Design: Comunicação Visual com Ênfase em Marketing pela ESPM/RJ, PDC no Pindorama e outras formações de livre aprendizado. Há cerca de 14 anos tem se dedicado a encontrar caminhos para o fortalecimento, construção e continuidade de culturas de autonomia e elaboração de projeto colaborativos com povos da terra e da floresta principalmente relacionados a educação ambiental, patrimônio, agrofloresta e permacultura.

 

16:00 – 17:00   Apresentação dos trabalhos da linha 3

 

17:00 – 18:30    CELEBRAÇÃO: Luthuli Ayodele e sua Origem.

  • Música: Eles Não Ligam pra Gente

Cantor, compositor e produtor. Com referências que passa pelo Soul, R&B, MPB, Reggae e Hip

Hop, seu primeiro lançamento já bateu milhões de visualizações. Aos 19 anos lançou a Banda Sinara com suas composições. Já passou por festivais nacionais e internacionais e hoje se dedica a carreira solo.

Nascido na Favela da Rocinha o autodidata Luthuli Ayodele tem ligação com a música desde que nasceu. Luthuli acredita na intensidade do vazio e no silêncio do amor. Negro, favelado que luta pela Igualdade!