TRF2 ouviu na segunda-feira, 21/5, testemunhas de acusação da Operação Cadeia Velha

Publicado em 21/05/2018

O desembargador federal Abel Gomes, relator no TRF2 do processo penal que apura as denúncias da Operação Cadeia Velha, conduziu na segunda-feira, 21 de maio, a oitiva de duas testemunhas indicadas pelo Ministério Público Federal (MPF). O procedimento dá início à instrução da ação criminal, que tem por réus os deputados Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo, da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Os parlamentares são acusados de, supostamente, receber propinas de concessionárias de transporte público urbano, para garantir aprovação de leis favoráveis às empresas.

No depoimento, duas testemunhas – Carlos Alberto Vital da Silva e Ricardo Campos Santos, que trabalham na corretora de câmbio Hoya – disseram fazer regularmente entregas de dinheiro, em espécie, para Jorge Luiz Ribeiro, que seria um dos operadores financeiros do esquema. Eles também disseram que entregas seriam feitas a Andrea Cardoso do Nascimento, chefe de gabinete de Paulo Melo.

Duas outras testemunhas arroladas pelo MPF acabaram não sendo ouvidas por serem rés em processo penal que tramita na primeira instância. O relator aceitou os argumentos de Regina de Fátima Pinto Antonio e Eni da Silva Gulineli, secretárias da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor). Elas sustentaram que, se falassem na condição de testemunhas da Cadeia Velha, poderiam prejudicar suas defesas no outro processo.

Proc. 0100523-32.2017.4.02.0000