Biblioteca do TRF2 terá centro de acessibilidade para pessoas com deficiência

Publicado em 25/06/2009

A Divisão de Biblioteca do Tribunal Regional Federal da 2ª Região está empenhada em criar meios que possibilitem a pessoas com deficiência terem acesso ao seu acervo, bem como às palestras e aulas da Escola da Magistratura Regional Federal (Emarf). A idéia é criar uma sala de acessibilidade, onde seja facilitada a circulação de cadeirantes e que seja dotada com equipamentos especiais, como computadores com teclados em braile e “headphones”, para que deficientes visuais possam ouvir os conteúdos produzidos pela Escola.

Atualmente, a biblioteca do TRF2, que funciona no 8º andar da Corte, tem em seu acervo cerca de 45 mil títulos, sendo 10 mil livros, 40 obras raras, vários periódicos, e material de multimídia. Para atender os deficientes visuais e pessoas com outras deficiências, está prevista a compra de programas de informática capazes de converter arquivos de voz em textos escritos e de fazer o inverso, transformando material redigido em arquivos sonoros. Além disso, serão adquiridos dicionários de libras e equipamentos para impressão em braile.

Ainda, para compor o acervo adaptado será feita a edição de audiolivros; a proposta é começar pela produção intelectual dos próprios magistrados da 2ª Região, com a gravação em CD de livros e artigos de desembargadores e juízes federais. Foi também pensando nos cadeirantes que o TRF2, recentemente, instalou corrimãos na rampa de entrada do prédio para facilitar o acesso. Já na biblioteca, eles têm um bom espaço para circular, inclusive entre os corredores de prateleiras de livros, que foram projetados sob medida.

A íntegra da matéria acima pode ser lida na versão eletrônica da revista Habeas Data 70, que você pode acessar clicando aqui